Publicado em

7 Grandes benefícios do café comprovados pela ciência

Beber café é um hábito diário que está, desde há muito, perfeitamente enraizado nas nossas vidas. É um ritual de tal maneira presente na nossa cultura que até associamos o ato de beber café a outras ações quotidianas como refletir, conversar ou desabafar. Tal repercute-se em expressões que já entraram no léxico comum, como “um café e dois dedos de conversa” ou “temos mesmo de tomar um café”.

Assim, seria muito positivo perceber se um hábito tão universal como é o do café – a segunda bebida mais consumida em todo o mundo, logo após a água – traz benefícios a quem o pratica. Beber café é ou não benéfico?, é a pergunta que nos propomos a esclarecer neste artigo. Para podermos responder com segurança, consultámos vários estudos sustentados e fundamentados que apresentamos de seguida.

Estamos todos cada vez mais atentos ao que comemos e bebemos, pelo que temos a certeza que irá apreciar as conclusões que se seguem. Eis os 7 grandes benefícios do café comprovados pela ciência:

1. O café reforça os níveis de concentração, de memória e de aprendizagem

Este benefício era, desde há muito, referido por pessoas que garantiam que beber café as ajudava a concentrarem-se em tarefas que exigiam rigor e concentração, como conduzir, trabalhar ou estudar. Recentemente, tais afirmações ganharam sustentação científica num estudo conduzido pelo investigador Nuno Sousa, do Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde (ICVS) que foi posteriormente publicado na revista Molecular Psychiatry. Esta investigação conclui que há – passamos a citar – “uma maior atividade dinâmica em várias áreas do cérebro, a que se junta “uma notória melhoria” na aprendizagem e na capacidade de memória.”

Esta investigação comprovou ainda que a cafeína tem benefícios comprovados relativamente aos níveis de atenção. Ou seja, quem bebe café tem a capacidade de estar mais atento em comparação a quem não bebe café. Tal deve-se aos componentes presentes no café e à forma como estes interagem com as diferentes áreas do nosso cérebro.

2- O café melhora o controlo motor e os níveis de alerta

Os mesmos estudos levados a cabo na Universidade do Minho dão conta de efeitos muito positivos relativos ao controlo motor e aos níveis de alerta. Assim, um consumo regular e equilibrado de café, é, segundo a ciência, consistente com a melhoria do controlo motor e com uma maior atividade dinâmica. Estes estudos são perfeitamente alinhados com os relatos frequentes de pessoas que garantem que o consumo de café lhes dá mais energia, maior capacidade de realizar tarefas com maior foco e desenvoltura e até mesmo mais vontade de treinar. Boas notícias, verdade? 

3- O café é muito rico em antioxidantes

Certamente já sabia que muitos frutos, nomeadamente os vermelhos, são ricos em antioxidantes. É um tema muitas vezes discutido em artigos de nutrição e alimentação saudável. Saiba agora que há também muitos estudos científicos que garantem que café é altamente antioxidante. Estes antioxidantes são extremamente importantes já que combatem os radicais livres responsáveis pelo envelhecimento celular. Tal deve-se à grande concentração de ácidos fenólicos na composição dos grãos de café. Alguns especialistas defendem mesmo que o café é a bebida que contém mais ácidos fenólicos. É por isso que o café simultaneamente nos rejuvenesce (daí ser usado em tantos produtos de beleza e cosmética) e protege os nossos vasos sanguíneos, favorecendo a saúde do coração.

4- O café reduz sintomas depressivos

Estudos recentes, levados a cabo por investigadores da Universidade de Coimbra, chegaram à conclusão que a cafeína desempenha um papel importante de normalização na função cerebral, ao travar vários sinais de alarme, alguns deles ligados à depressão. O autor do estudo, o Dr. Rodrigo Cunha, do Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra, garante que “a cafeína e os análogos da cafeína têm a capacidade de modelar o sistema imuno-inflamatório.”

Este estudo, realizado em Portugal, junta-se a outros estudos realizados em todo o mundo que apontam no mesmo sentido, dando conta dos efeitos benéficos da cafeína para reduzir sintomas ligados à depressão, reconhecida como uma das grandes doenças silenciosas dos nossos tempos. 

5- O café ajuda a evitar doenças crónicas ligadas ao envelhecimento

Que grande notícia! Em declarações à rubrica “Uma janela de Esperança”, no canal televisivo SIC, o supracitado Dr. Rodrigo Cunha afirmou que os estudos que tem levado a cabo no Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra apontam para uma conclusão muito animadora: “as pessoas que bebem regularmente café, vivem praticamente o mesmo que as outras, mas com muito menos doenças crónicas associadas ao envelhecimento. E tendo em conta que o envelhecimento é, de longe, o maior fator de risco para doenças crónicas, nós temos aqui uma esperança que não vislumbrávamos há uns anos”.

Este benefício é particularmente importante porque incide e reflete sobre a importância da manutenção da saúde também nas idades mais avançadas.

6- O café não engorda

Este benefício vai agradar a todas as pessoas que não querem aumentar a quantidade de calorias da sua dieta. Antes de mais, é importante reforçar o apelo de que todos devemos ser vigilantes em relação à nossa saúde. Devemos igualmente evitar alimentos altamente calóricos, já que estes se traduzem em aumento de peso e em possíveis problemas cardiovasculares. Saiba, desde já, que o café é praticamente isento de calorias. Segundo os nutricionistas, cada chávena de café contém apenas 2 a 5 calorias, desde que, claro, não acrescente açúcar. Tal como nos benefícios anteriores, vamos apontar aqui o que os mais recentes estudos científicos nos trazem: segundo um estudo publicado no The Journal of Nutrition, nos Estados Unidos da América, há evidências que mostram que quem consome duas a três chávenas de café por dia tende a ter menores taxas de gordura abdominal do que as pessoas que não consomem café.

7- O café é rico em vitaminas e minerais e ajuda a combater a inflamação

Um dos benefícios que indicámos acima é que o café é muito rico em antioxidantes. A este grande benefício, juntam-se os que vamos falar já de seguida: a ciência diz-nos também que os componentes que constituem o café são ricos em potássio, fósforo e magnésio, que desempenham um papel vital na defesa e manutenção do nosso organismo. O café é ainda composto com vitaminas do complexo B. Mas não é tudo!  Segundo uma investigação levada a cabo pela Universidade de Stanford, nos Estados Unidos da América, o café pode desempenhar um papel fundamental no combate à inflamação. Este estudo comprovou que a cafeína presente no café auxilia a prevenção e o tratamento de diversas doenças, já que tem um poderoso efeito anti-inflamatório.

O café traz saúde e esta é uma belíssima forma de concluir esta lista de benefícios.

Gostamos de partilhar boas notícias e ficamos muito satisfeitos ao perceber que estes benefícios se referem a conclusões obtidas a partir de vários estudos sérios, bem fundamentados e sustentados.

Antes de terminar, queremos deixar-lhe uma recomendação: consuma café de qualidade que ajude a potenciar todos os benefícios que leu neste artigo. Tenha também atenção às quantidades ingeridas e opte pelo consumo moderado de café, entre 2 a 4 chávenas diárias. E na hora de escolher o seu café de eleição, certifique-se sempre da qualidade do mesmo. Descubra o nosso café Everyday Coffee, onde a qualidade e o rigor estão presentes em cada momento do processo de produção até este chegar até si. Escolha a Everyday Coffee e desfrute de um café de excelência.

Publicado em Deixe um comentário

Café orgânico: da produção sustentável aos benefícios

De uma produção mais sustentável aos benefícios para a saúde, passando pelo sabor, vários são os fatores que distinguem o café orgânico do café convencional. Mas, afinal, o que é o café orgânico e por que é que, normalmente, o seu preço é mais elevado do que o da maior parte dos cafés?

Comecemos pelo início: ao contrário do café mais convencional, em cuja produção são usados produtos químicos, o café orgânico é cultivado em solos ricos em fertilizantes naturais, sem recurso a químicos. 

Assim, ao optarmos pelo café orgânico, não só estamos a beneficiar o meio ambiente, como também garantimos que, no nosso organismo, não entram substâncias nocivas. E em termos de sabor, será que o café é diferente?

O que é a agricultura orgânica?

Tendo em conta que é cultivado sem recurso a fertilizantes sintéticos ou produtos químicos, é, desde logo, fácil perceber como a produção do café orgânico é mais sustentável do que a dos cafés não-orgânicos. Na verdade, o café é um dos produtos do mundo em que são utilizados mais produtos químicos!

Mas não fiquemos por aqui… Segundo a Federação Internacional dos Movimentos da Agricultura Orgânica, para que uma cultura seja considerada orgânica, o seu sistema de produção deve respeitar a biodiversidade e as condições locais e basear-se em processos ecológicos. Estes são escolhidos em detrimento de processos com efeitos adversos para o meio ambiente e a qualidade de vida das populações envolvidas no processo de produção. 

Café orgânico: um café mais sustentável

O café orgânico é, deste modo, produzido com recurso a fertilizantes naturais e adubos verdes, como substitutos dos produtos químicos (como pesticidas, herbicidas ou inseticidas). Os compostos feitos à base de polpa de café rica em nitrogénio e potássio são os fertilizantes orgânicos mais comuns neste tipo de produção.

Por outro lado, também os solos beneficiam do cultivo de café orgânico. Em primeiro lugar, ao contrário da produção não-orgânica de café, a máxima rentabilização dos lotes de terra não faz parte dos objetivos da agricultura orgânica. Deste modo, não são utilizados organismos geneticamente modificados para desintoxicar os solos, permitindo o seu repouso, antes de uma nova plantação. Em segundo lugar, os solos não são contaminados com químicos provenientes da água, o que acontece na produção do café não-orgânico. 

Na verdade, também o tratamento e o embalamento do café, após a apanha, determina a sua condição orgânica. Neste caso, há que garantir que também estes processos não poluem o ambiente. Após a apanha e secagem, o café orgânico é processado através de moagem a húmido ou moagem seca, garantindo, assim, a integridade do grão. Pelo contrário, os cafés não-orgânicos são processados com recurso a uma grande quantidade de água, que acaba por ser contaminada pelos químicos usados na produção do café.

Em suma, a fauna e a flora dos locais onde se inserem as fazendas de café orgânico, bem como a saúde das suas populações, saem também beneficiadas. Por um lado, a agricultura orgânica emite uma quantidade muito menor de carbono para a atmosfera e, não utilizando químicos, impede a morte por intoxicação de animais como aves e roedores, essenciais ao equilíbrio do ecossistema. Por outro lado, muitas das fazendas limitam o seu uso de recursos não-renováveis, com todas as vantagens que isso representa para o meio ambiente.

Benefícios do café orgânico para a saúde

Ao banir os químicos do processo de produção, automaticamente, deixa de correr o risco de ingerir resíduos tóxicos dentro daquela chávena de café que tão bem lhe sabe ao paladar e à alma. Assim, a juntar a outros benefícios para a saúde que a ciência tem vindo a atribuir ao consumo de café (por exemplo, um estudo recente da Universidade do Minho concluiu que a ingestão regular de café ajuda ao controlo motor e tem benefícios para a nossa mente), a principal vantagem do café orgânico em relação ao café tradicional está na redução do risco de ingestão de resíduos de:

  • Pesticidas;
  • Herbicidas;
  • Fertilizantes sintéticos;
  • Corantes;
  • Conservantes;
  • Aromas artificiais.

Na verdade, em termos nutricionais, o café orgânico contém os mesmos micronutrientes do que o café tradicional (como potássio, magnésio e vitaminas B1, B2, B3 e B5). Contudo, a sua saúde agradece se optar por uma dieta limitada em produtos sintéticos.

Café orgânico e não-orgânico: o sabor é diferente?

E, afinal, em termos de sabor: o café orgânico é melhor do que o café não-orgânico? A resposta não é consensual, pois a avaliação do sabor do café depende muito do paladar de cada um.

Há ainda outros fatores que contribuem para o sabor do café, como o processo de torra e preparação do grão, os blends escolhidos, o tipo de moagem e a forma de preparação. Os nossos blends de café (Infinito e Supremo) são produtos orgânicos por serem constituídos por cafés selecionados e especiais que não passam por qualquer processo que os altere (artificialização do sabor, por exemplo) e cuja torra é feita individualmente. Desta forma, conseguimos garantir que as características dos cafés utilizados no blend atingiram o seu maior potencial em termos de sabor e aroma.

Assim, o ideal é fazer a experiência e decidir por si se o café orgânico tem ou não um sabor melhor do que o não-orgânico!

Publicado em Deixe um comentário

Chemex: a arte de fazer o café preferido de James Bond

No romance From Russia, With Love, de 1957 – que dá origem ao segundo filme da saga 007 (lançado em 1963) –, Ian Fleming revela-nos a refeição favorita de James Bond: o pequeno-almoço. Ficamos ainda a saber que, sempre que estava em Londres, o espião não dispensava um ritual:

“Consistia num café muito forte, da De Bry, na New Oxford Street, preparado numa Chemex Americana. Bebia duas chávenas grandes, preto e sem açúcar.”

De facto, não é de estranhar que alguém com tanta classe como Bond elegesse uma cafeteira que é de tal forma elegante que hoje faz parte da coleção do Museu de Arte Moderna de Nova Iorque.

O que é a cafeteira Chemex?

Em 1941, nos Estados Unidos, Peter Schlumbohm, um químico alemão apaixonado por café, sonhou com uma cafeteira simples e elegante, com aspeto de instrumento de laboratório. Desejava conseguir, através dela, o café perfeito, sem qualquer traço amargo.

Inspirado no estilo Bauhaus – em que a funcionalidade é palavra de ordem, sendo o princípio norteador para o design dos objetos – Schlumbohm criou um recipiente de vidro em forma de ampulheta, com o topo em formato de cone (onde se coloca o filtro) e um suporte ou alça de madeira com um cordão. Tendo em conta a sua expertise na área da química, os materiais da Chemex não foram deixados ao acaso:

  • O recipiente é feito em vidro borossilicato, por ser um material resistente ao calor e não poroso, não afetando o sabor do café;
  • Os filtros foram especialmente concebidos para uso nesta cafeteira, com um tipo de papel mais espesso, de forma a preservar o melhor sabor do café;
  • O suporte de madeira não só confere elegância ao objeto, como evita a queimadura das mãos, durante o manuseamento.

Assim, a Chemex é uma cafeteira que não precisa de lume nem eletricidade para preparação do café: usando o filtro certo, o café é obtido apenas pela passagem da água pelo café moído. Parece simples? Bom, talvez… mas há alguns truques para obter o café perfeito.

Os segredos para obter o melhor café

1. O café

O primeiro segredo para preparar o café preferido de Bond pode parecer óbvio, mas não é assim tanto: a escolha do café. Comprar café moído no supermercado não será uma boa opção, pois a moagem é muito fina e tornará o café muito amargo e forte. Assim, comprar o café em grão e moê-lo em casa é mesmo a melhor opção. Se usar cafés da espécie arábica (como estes), irá conseguir um café verdadeiramente aromático e saboroso!

2. A moagem

A moagem é, então, outro passo essencial: para preparar café na Chemex, a espessura do café deverá ser semelhante à de grãos de areia, isto é, uma moagem média a grossa. Desta forma, a água demorará o tempo certo a passar pelos grãos – 3 a 4 minutos – garantindo, assim, o melhor sabor para o seu café. Quanto mais fina for a moagem, mais amargo e forte será o café; quanto mais grossa, mais fraco e aguado ficará.

A altura de fazer a moagem também é fundamental: os grãos devem ser moídos, no máximo, 5 minutos antes de o café ser preparado.

3. A água

A quantidade e a temperatura da água também são essenciais para obter o máximo potencial do café. Quanto à temperatura, a água deve ser aquecida até ao máximo de 95.ºC (o ideal serão 93.ºC), isto é, o aquecimento deve ser interrompido antes de levantar fervura. Relativamente à quantidade, a proporção ideal será de 10 mililitros de água para 1 grama de café. Na verdade, o café obtido na Chemex adquire uma textura suave, mas a proporção entre a água e o café pode ser ajustada ao gosto de cada um, para obter um café mais ou menos forte.

4. O local de preparação

Na hora de preparar o seu café, a Chemex deve ser colocada num local firme e não muito frio, de forma a não provocar choques térmicos, quando a água quente deitada sobre o filtro alcançar o fundo da cafeteira.

Como preparar café na Chemex?

Agora que já sabe os segredos, é hora de preparar o seu café. Eis o passo-a-passo:

  1. Pese os grãos de café, de acordo com a capacidade da(s) chávena(s) que quer preparar (por exemplo, para preparar 50ml de café, usando a proporção 1:10, serão necessários 5 gramas de café), e moa-o.
  2. Aqueça a água. Deverá colocar a aquecer 200ml a mais em relação à quantidade de café que deseja preparar (no caso da chávena de 50ml, deverão ser aquecidos 250ml de água);
  3. Enquanto a água aquece, coloque o filtro dentro da Chemex, mantendo a parte que contém 3 folhas virada para o bico;
  4. Quando a água atingir 93.º, termine o aquecimento e deite 200ml sobre o filtro, de forma a humedecê-lo na sua totalidade;
  5. Despeje a água que ficou no fundo da cafeteira;
  6. Coloque o café moído no filtro e despeje lentamente a água sobre o café, em forma de espiral, até cobrir todo o pó;
  7. Deixe repousar durante 30 segundos e, passado esse tempo, deite o resto da água.

O seu café está agora pronto a servir! Para saborear todo o seu potencial em termos de aroma e sabor, aconselhamos a que deixe o café arrefecer um pouco. Agora que já sabe todos os segredos do café que Bond não dispensava em Londres, é hora de comprar os seus grãos e desfrutar do ritual.